Arquivo | maio, 2012

Você deixa seu filho crescer?

31 maio

Você deixa seu filho crescer? A primeira vista parece uma pergunta estranha.

Como assim? Crescer é algo complexo e não tem a ver somente com crescer fisicamente. Crescer significa explorar o mundo e se relacionar com ele de modo independente.

Muitos pais se referem aos seus filhos como bebês, mesmo com 2 ou 3 anos. Mas ele não é mais um bebê e pode perceber a contradição. Algumas crianças ficam assim “pressas” no rótulo de bebês e se arriscando pouco no contato com o mundo exterior. Isso pode ser visto em crianças que demoram para sair das fraldas, têm medo constante de estranhos e não conseguem se afastar dos pais (mesmo em ambientes seguros, como a escola).

Permitir que a criança cresça implica em proporcionar desafios, estimulação e se surpreender com o que ela pode dizer e fazer. É tão gostoso ver uma criança aprendendo coisas, tendo seu próprio espaço em casa e na escola, tendo uma rotina própria… Quando isso é valorizado, podemos observá-la contando sobre suas experiências, por exemplo, como foi seu dia na escola ou com a babá. Assim, ela troca com seus pais suas vivências, criando intimidade.

Aproveitem o desafio e deliciem-se com o desenvolvimento de seus filhos!

Um abraço!

A importância em se colocar limites nas crianças – A parte da escola

9 maio

Antes de começar o post de hoje quero pedir desculpas, aos meus leitores, por minha ausência.  Tive dias corridos, muito trabalho e não foi possível atualizar o blog como eu gosto. Ufa, mas agora vamos lá falar da escola e dos limites!

 

A escola pode desempenhar um fator importante na criação dos nossos filhos. Por isso é tão essencial a escolha por uma boa escola, principalmente em relação ao estabelecimento de regras e limites. Algumas escolas acham que devem deixar as crianças livre, mas isso não significa deixá-las fazerem o que quiserem. Boas escolas trabalham com combinados de grupos, rotinas, regras de conduta… Mas o que são essas balizas? São meios de comunicar à criança o que pode ou não ser feito. Por exemplo: bater no amigo não pode. Tente conversar. Podemos comer na hora do lanche, mas não no horário da aula. Apesar de simples, essas falas ajudam muito no entendimento da criança pelas regras de grupos e na organização temporal.

Por ser um ambiente onde a criança estará sozinha, na escola ela precisará se adaptar ao funcionamento de um lugar não familiar, com regras preestabelecidas e que não dependem apenas da vontade dela. As amizades também oferecem uma boa oportunidade de conhecer os sentimentos dos outros e o desabrochar da sensação de respeito. Afinal, as próprias crianças, em seus pequenos grupos, irão aprender a dizer sobre si e o que gostam ou não em um amigo.

Desse modo, fatores externos ajudam no estabelecimento de regras e na formação da conduta social. A escola talvez seja o mais relevante e deve fazer sua parte.

Um abraço!