Arquivo | março, 2017

Eu sou o Antônio. A importância do nome próprio no bebê

9 mar

O bebê se desenvolve todos os dias, sem exceção. Mesmo quando não percebemos diferenças no exterior não podemos nos deixar enganar: dentro do bebê novas conexões, relações e vínculos são formados.

A conquista do pEurimeiro passinho ou da primeira palavra são comumente lembradas pelos pais, mas outras aquisições importantes da criança podem passar desapercebidas, uma delas o uso do termo Eu.

O bebê geralmente se auto-refere a partir de seu nome ou apelido, a Caca, o Fefe, a Dedé, repetindo o modo como os pais o chamam. Mas, de repente, ele diz: eu. Eu quero! Eu não gosto. Alguns mesmo antes de falar já pequenos batem no peito mostrando essa referência.

O surgimento da palavra Eu mostra o estabelecimento de uma organização psíquica muito importante, indicando que a criança sempre se relacionará com o mundo a partir de um olhar próprio. Esse marco costuma acontecer entre o primeiro e o segundo ano de vida e os pais devem estar atentos ao seu surgimento.

Sem dúvida estruturar uma unidade psíquica singular é uma conquista. Ela mostra a diferença radical do bebê com todos os outros, sua particularidade, sua unidade de sujeito singular. Novos gostos, novas descobertas. Delícia de acompanhar.

Abraços!

Caroline

Anúncios